Hospitais e maternidades devem treinar pais ou responsáveis por bebês sobre primeiros socorros


Projeto do Deputado Carlos Henrique foi aprovado em definitivo na ALMG

Hospitais que realizam partos, maternidades, unidades básicas de saúde e centros estaduais de atenção especializada deverão orientar e treinar pais ou responsáveis por bebês sobre primeiros socorros em caso de engasgamento, aspiração de corpo estranho, asfixia e prevenção de morte súbita.

É o que prevê o Projeto de Lei 2.259/20, aprovado de forma definitiva pelo Plenário da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). De autoria do deputado Carlos Henrique (Republicanos), a proposição altera a Lei 22.422, de 2016, que estabelece objetivos e diretrizes para a adoção de medidas de atenção à saúde materna e infantil no Estado.

De acordo com dados do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, entre 2015 e 2023, a corporação registrou 660 vítimas por obstrução de vias por corpos estranhos, sendo 349 meninos e 311 meninas, entre 0 e 4 anos de idade.

Carlos Henrique salienta a importância do projeto, uma vez que acidentes como engasgamento do bebê são muito comuns, mas o desfecho positivo depende do socorro imediato. “É fundamental que hospitais e maternidades orientem e capacitem minimamente os responsáveis por crianças recém-nascidas, na prevenção desses riscos envolvendo a alimentação, refluxo e asfixia dos bebês”, reforça.

O projeto segue para sanção.

TEXTO: ASCOM REPUBLICANOS MG